Ministro reconhece abuso nos reajustes dos planos, mas se omite em intervir no assunto

O Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, criticou, durante evento, ontem (03), em São Paulo, a regra que permite à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) regular o percentual máximo de reajuste apenas de planos de saúde individuais, ficando de fora os contratos coletivos – que abrangem mais de 70% do total de usuários de todo o Brasil. Queiroga frisou não achar “normal” que as operadoras, num contexto de pandemia, aumentem os serviços em 30%. No entanto, o ministro deixou claro não ter interesse algum intervir no assunto.


“Não é função do Ministério da Saúde intervir em política de preço, deixo bem claro aqui para não dizerem que estou querendo controlar preço da saúde suplementar, não quero e não é minha função”, destacou.


A ANS, por sua vez, rebate que estabelece, sim, regras para aplicação dos reajustes dos planos coletivos, mas que o percentual é definido a partir da relação comercial entre a empresa contratante e a operadora.

81 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Rua Henrique Dias, 145, Boa Vista, Recife/PE - CEP: 50.070-140
(81) 3423-0540 / 3139-8501